A Águas de São Francisco do Sul, em parceria com a Secretaria Municipal de Meio Ambiente, acaba de realizar uma vistoria piloto na rede pluvial do município para identificar ligações clandestinas de esgoto.  A companhia utilizou a tecnologia do Fumacê, um equipamento que injeta fumaça nas tubulações, além de testes com azul de metileno.

Feito à base de água, o produto do fumacê não é tóxico e, quando aplicado, consegue chegar a banheiros e cozinhas que tenham ligação direta com a rede pluvial. Victor Villela Aroeira, gestor operacional da Águas de São Francisco do Sul, explica que os testes foram realizados a pedido da Secretaria de Meio Ambiente, já que foi registrado um aumento no número de esgoto a céu aberto na região das praias, prejudicando também a saúde de moradores e turistas.

Estes testes também são um instrumento importante para ajudar na preservação da qualidade da água dos mananciais do município. “É importante que cada residência tenha o sistema hidrossanitário individualizado e não conecte na rede pluvial. Além disso, é necessário realizar a manutenção periódica do sistema. O equipamento fornecido e acompanhado pela Águas de São Francisco auxilia e facilita a identificação das propriedades que precisam adequar o circuito de tratamento: fossa, filtro, clorador e sumidouro”, diz o secretário de Meio Ambiente de São Francisco do Sul, Gabriel Conorath.

De acordo com o Instituto Trata Brasil, o número de doenças relacionadas à falta de saneamento básico adequado é crescente, desde bairros periféricos, à condomínios. A contaminação pode acontecer por diversos fatores, mas o mais comum é pelo contato com esgoto à céu aberto e água poluída com urina, fezes humanas ou de animais.

Conforme Victor, a solução definitiva do esgotamento sanitário da região das praias será a Estação de Tratamento de Esgoto (ETE), localizada no Majorca/Ubatuba, que está em fase de implantação. A construção do sistema é uma das prioridades da concessionária Águas de São Francisco do Sul na cidade.